Bacafá

Bacafá

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Lição para Ivete Sangalo

"Giulia Olsson tem 14 anos e estuda no ensino médio na Flórida. Nos últimos meses, ela vendeu limonada na rua, lavou carros, disparou e-mail por várias partes do mundo para arrecadar dinheiro destinado à orquestra sinfônica de Heliópolis, a maior favela de São Paulo. Conseguiu levantar R$ 30 mil.

Giulia está, nesse momento, ensinando violino para as crianças da sinfônica e vai se apresentar na Sala São Paulo --a história detalhada está no www.catracalivre.com.br.

É uma lição para celebridades como Ivete Sangalo e Caetano Veloso, entre outras celebridades brasileiras, que vêm conseguindo dinheiro público para seus shows. Uma das justificativas dadas pelo Ministério da Cultura para aprovar a concessão do benefício à turnê de Caetano Veloso (um benefício totalmente dentro da lei, diga-se), é que Ivete Sangalo, montada nos seus milhões de reais, com plateias cheias, também ganhou --assim como Maria Bethânia.

Todas essas celebridades fariam melhor a elas mesmas e ao país se, como Giulia, pelo menos compartilhassem suas experiências com estudantes.

Enquanto uma menina de classe média se empenha em ajudar uma comunidade, transformando dinheiro privado em ação pública, a Lei Rouanet tem permitido o contrário --dinheiro público voltado a interesses privados."


Texto de Gilberto Dimenstein. Fonte: Folha Online. Link direto, clique aqui.

Bom se todos nós seguíssemos tais exemplos e também se não quiséssemos levar vantagem em tudo.

4 comentários:

Ninguém envolvente disse...

é interessante mesmo ver que quem não tem qse nada ainda quer dividir o pouco que tem e aqueles que tem de tudo querem sempre mais e nunca estão satisfeitos, que sirva mesmo de lição para todos nós não somente para celebridades.

Bruna Nunes disse...

Esse é o país em que vivemos. E tudo não passa de uma questão de conscientização. Por mais que esses artistas digam que fazem algo, tudo (em muitas das vezes, pq temos exceções) não passa de uma jogada, uma maneira de mostra que são solidários e assim vender mais e mais. Só tenho a lamentar por essa situação. E dar os parabéns por atitudes como o dessa menina. Precisamos disso.

Carina disse...

Depois que se cortam leis de incentivo a cultura, estes sao os primeiros a reclamar! Que vergonha.
Palmas pra esta menina, um exemplo!

Raphael Rocha Lopes disse...

Ninguém, Bruna e Carina, bom seria se os exemplos viessem dos mais visados. Enquanto isso não acontece, um mundo mais justo depende de atos nossos, pessoas comuns, assim como os dessa garota.